2016-10-13-dughla-sherpa-memorial-lobuche-2

Oi pessoal!!

Como prometido, começo hoje a série de posts sobre a minha viagem pro Nepal e Trekking até o Campo Base do Everest! Já estava ansiosa para começar a escrever porque foram tantas experiências únicas que fiquei pensando em como me organizar para colocar tudo no blog de forma organizada, interativa, divertida, para que todos possam tirar o máximo de proveito das informações. Daí resolvi escrever em partes/seções, para ficar mais fácil para quem lê e mais organizado para quem escreve! Dividi a viagem em 10 posts diferentes, então esse aqui é apenas o começo!

A paisagem é de tirar o fôlego mesmo!

A paisagem é de tirar o fôlego mesmo!

O título desse post não fui eu que inventei, nem fui eu que disse que esta é a trilha mais bonita do mundo. Este trekking é realmente conhecido como o mais bonito do mundo e inclusive assim considerado pelo nosso guia, Manoel Morgado, que tem mais de 30 anos de experiência nas mais diversas montanhas do mundo! Eu nunca fiz outros trekkings, mas não imagino que exista algo comparável a tudo que vimos e sentimos no Nepal, e vou usar este post para começar a explicar por quê!

A cada dia nos apaixonamos mais!

A cada dia nos apaixonamos mais!

Mas vamos começar do começo!

Nepal? Conta mais…

O Nepal é um pequeno país com uma região de aproximadamente 150.000 quilômetros quadrados e 20 milhões de habitantes. Tem portanto uma das maiores densidades populacionais do planeta! Fica situado entre a Índia e o Tibet  e por ali passa a Cordilheira do Himalaia, que abriga 9 das 10 montanhas mais altas do planeta ( O K2, a segunda mais alta, fica na Cordilheira de Karakoram na fronteira entre Paquistão e China)! O Nepal sozinho abriga 8 das 14 montanhas mais altas!! A Ásia é mesmo terra de gigantes e o Himalaia possui mais de cem montanhas acima dos 7.200 metros de altitude! Para efeito comparativo, a mais alta montanha fora da Ásia é o Aconcágua, na Cordilheira dos Andes, com 6.961 metros de altitude!

nepal_map_2011

Além das altas montanhas, o Nepal é o país com a maior capacidade hidráulica do planeta e a água proveniente das bacias dos rios que nascem no Himalaia são responsáveis por abastecer mais de 1 bilhão de pessoas! Pasmem, mesmo com tanta água Kathmandu tem 12 horas de falta de energia todos os dias! Resultado de um país pobre e com um governo super corrupto. Daí aquele caos asiático que eu tanto adoro, mas que conto no post exclusivo sobre Kathmandu!

Como chegar lá?

Existem vôos de diversas cias aéreas que vão até Kathmandu, mas não existe vôo direto do Brasil até lá. As mais usadas são a Qatar com escala em Doha, Etihad com escala em Abu Dhabi e a Emirates que faz escala em Dubai.

Ótima dica para quem é papa milhas como eu! Qatar e Etihad são parceiras Smiles, e pelo que sei logo logo a Emirates será também! Nós compramos a passagem com milhagem da Smiles, usando a opção Smiles + Money e por isso fomos com a Qatar e voltamos com a Etihad. E no fim gastamos menos 70 mil milhas e cerca de USD 500,00 cada um de passagem. Valeu super a pena!

E o trekking?

Depois de 4 dias passeando por Kathmandu e mais 12 horas de chá de aeroporto que contarei no próximo post, partimos para as montanhas para iniciar a caminhada! A trilha começa em Lukla e vai até Gorak Shep e vou detalhar dia a dia nos próximos posts!

mapa-everest-base-camp-manoel-morgado-outubro-2016-trekking

Esta foi a rota do nosso trekking até o Campo Base do Everest, que eu vou detalhar nos próximos posts!

A trilha fica localizada na região do Vale do Khumbu e dentro do Sagarmatha National Park. Sagarmatha é o nome Nepalês para o Monte Everest! A trilha usada para o trekking existe há centenas de anos e é a mesma que os moradores das montanhas utilizam para se locomover e carregar mantimentos e todo tipo de coisa que se possa imaginar! Ali na montanha não existe nenhum outro meio de locomoção que não seja caminhando ou por meio de animais como cavalos, bois e yaks. Esqueça qualquer coisa que tenha rodas, de verdade! A estrada mais próxima está há dois dias de caminhada de Lukla, vilarejo onde fica o aeroporto Tanzing Hillary, ponto de partida do Trekking!

img_1745

Entrada do Parque Nacional

Isso significa que absolutamente tudo que você come e que não é plantado lá, todos os produtos industrializados que você compra como: refrigerantes, bolachinhas, papel higiênico etc e todas as paredes, camas e chuveiros do lugar que você dorme, inclusive o encanamento são transportados nas costas de algum carregador ou de algum animal! Isso é meio louco de se pensar, pois não vivemos mais assim há centenas de anos.

2016-10-17-dingboche-pangboche-monastery-deboche-69

Carregador levando tubulação pela trilha.

2016-10-09-khunde-tengboche-monastery-deboche-63

Os animais também carregam coisas!

2016-10-12-dingboche-dughla-awi-peak-16

Cena comum durante o trekking

Estas placas que o carregador está levando são paredes para fazer divisórias de casas e lodges!

Estas placas que o carregador está levando são paredes para fazer divisórias de casas e lodges!

Sim, ser carregador é uma profissão muito comum dos homens das montanhas no Nepal. Afinal de contas não existe muita opção de emprego para quem nasce por lá. Salvo quem trabalha na agricultura, existe a profissão de Sherpa, ou guia de montanha, os Climbing Sherpas que são os que guiam escaladas de montanhas ou carregadores. As mulheres geralmente cuidam dos animais ou dos lodges da família, que geralmente são construídos com  dinheiro que os homens conseguem guiando montanhas! Logo, você vê e passa por carregadores todos os dias várias vezes por dia!

É difícil?

Dependendo da empresa ou guia que você contrata, o trekking pode variar entre 12 a 16 dias. No nosso caso foram 15 dias de caminhada e 144,5 Km percorridos, caminhando de 4 a 6 horas por dia, todos os dias! Mesmo com todo o sobe e desce (subida e descida cumulativa de 8.615 metros no total) eu não diria que a trilha em si é difícil. O que pega mais aqui é caminhar em altitude! Por se tratar de uma região de montanhas, já saímos de 2.800 metros chegando  5.555 metros de altitude no dia de maior elevação. Para dar uma ideia, moro a 30 metros e Kathmandu fica a 1.400 metros de altitude. A uma altitude de 5.000 metros temos apenas 50% do oxigênio que temos disponível no nível do mar. Isso transforma qualquer subidinha de escada e amarradinha de sapato em uma atividade bem cansativa e facilmente ficamos ofegantes!

Colocando os treinos de escada em prática!

Colocando os treinos de escada em prática!

2016-10-12-dingboche-dughla-awi-peak-64

Parada para um descansinho básico!

2016-10-12-dingboche-dughla-awi-peak-37

Eu diria que qualquer pessoa com boa saúde e com vontade poderia ir, mas estar em boa forma física, com bom preparo cardiovascular e treinar subida de lances de escada com mochila nas costas com alguns meses de antecedência ajuda bastante, mas também não é garantia de sucesso, já que cada corpo responde e se adapta de uma forma diferente na montanha e que não é possível prever com antecedência! O processo de adaptação a altitude deve ser feito com cuidado e sempre prestando muita atenção nos sinais que o corpo dá! Para isso devemos andar devagar, tomar muita água, nos alimentar corretamente, e seguir a risca as instruções do guia!

O trekking até o Campo Base do Everest é perigoso?

Quando me perguntam se acho perigoso pela altitude e os riscos dela para a saúde, acho que vale o mesmo que falei aí em cima! Contratar uma empresa qualificada, com guias experientes e seguir à risca suas instruções diminui muito o risco de mal de altitude, porém não existe uma garantia por cada pessoa reagir de forma diferente.

Subidas fora da rota para aclimatação são frequentes e ajudam muito o corpo a se adaptar!

Subidas fora da rota para aclimatação são frequentes e ajudam muito o corpo a se adaptar!

De qualquer forma ter alguém que conhece o ambiente e tem os contatos certos me deu muita segurança, já que eu tinha certeza que encontrariam a melhor solução e atendimento caso algo não saísse de forma esperada, como de fato aconteceu com algumas pessoas em nosso grupo! Comigo deu tudo certo salvo algumas dores de cabeça e falta de apetite, mas mesmo assim não aconselho se aventurar pelos Himalaias sozinho!

Com quem você foi?

Como já contei no meu primeiro post sobre o Nepal (aqui!), eu pesquisei muito sobre esta viagem e contratei a Morgado Expedições, que tem muita experiência em diversos tipos de viagens de aventura tendo o Manoel Morgado como guia. O currículo dele nas montanhas é invejável! Ele já guiou este trekking por 61 vezes e tem 30 anos de experiência nas montanhas, algo pelo qual é apaixonado, sendo o oitavo brasileiro a chegar ao cume do Everest e o segundo a completar a escalada dos 7 cumes (o cume mais alto de cada continente)!

Depois de passada a experiência eu avalio que não poderia ter feito escolha melhor!

Viajar com o Manoel, que conhece como ninguém a região do Khumbu, Kathmandu, a cultura do Nepal, a religião Hindu e a Budista, predominantes e que convivem de forma harmoniosa no país, é uma experiência extraordinária que vai muito além de ver lindas montanhas e do desafio de chegar ao Campo Base do Everest!

Eu, nosso guia, Manoel Morgado e as montanhas!

Eu, nosso guia, Manoel Morgado e as montanhas!

Além de ele fazer isso com muito conhecimento e total segurança, cada dia com ele é um aprendizado novo, sobre uma cultura riquíssima, diferentes costumes, além de fazer um trekking de maior duração, para melhor aclimatação, passando por regiões onde a rota de trekking tradicional não passa, visitando lindos monastérios, vilarejos e até conquistando meu primeiro cume! Fora que além de ótimo profissional, é uma pessoa extraordinária!

Como citei aí em cima nesse post, existem muitos e muitos guias de montanha no Nepal que podem ser contratados por lá, e possivelmente com preços bem amigos, mas por tudo que vivi nos 22 dias que passei no Nepal com a Morgado Expedições, eu recomendo o Manoel como guia de olhos fechados!

Quando ir?

As melhores épocas para fazer este trekking são: na primavera, em abril e maio e no outono, em outubro e novembro, quando o tempo é seco e as temperaturas são amenas. As chances de céu azul são enormes! Outubro é a alta temporada de trekking, mas o Campo Base do Everest está vazio, já que as expedições de escalada ao Everest acontecem a partir de abril. Fica a dica para quem quiser pegar o acampamento montado! Por outro lado, nessa época as trilhas ficam mais cheias!

Como as monções, período de chuvas da Ásia, atrasaram este ano, os 3 primeiros dias do nosso trekking foram com tempo mais nublado, névoa e até chuva em alguns momentos, mas não é o normal! Do quarto dia em diante pudemos experimentar lindos dias de céu azul e muitas montanhas!

2016-10-11-pangboche-dingboche-nangazan-ri-peak-105

Dias de céu completamente azul são a promessa de quem viaja para lá nos meses mais secos!

2016-10-18-deboche-monjo-32

Dito tudo isso é hora de partir para a aventura! No próximo post vou contar sobre os nossos 3 primeiros dias de trekking e mais curiosidades! Aguardem!

 

Share: